sábado, 16 de junho de 2012

Queria tanto...


As saudadinhas apertam. A vontade de o ver é mais do que muita. A necessidade de o ter nos meus braços é imensa. E eu só queria uma noite como aquela em que ficámos por casa, no meu sofá, aconchegadinhos um no outro, a ver um filme... Precisava mesmo de algo assim. E a porcaria do tempo não ajuda, que insiste em andar devagar quando não o vejo e em galopar quando estou com ele.

1 comentário:

ʝoana disse...

O bem-bom passa sempre a correr. É o tempo psicológico!