sexta-feira, 21 de setembro de 2012

It's wedding time


Aproxima-se o dia em que acompanharei um primo meu ao altar. O vestido está comprado desde o fim de Julho e em minha casa desde Agosto. Os sapatos e a mala foram adquiridos algures já em Setembro. Os brincos há relativamente pouco tempo e o colar há umas meras horas (não o adoro, mas espero que dê para desenrascar). Não acho que vou ser uma madrinha linda, mas isso é o que menos me preocupa... Às vezes, não me sinto à altura. Sei que, se a vida fosse doutra maneira, o meu pai e uma outra tia do meu primo é que estariam ao seu lado, naquele dia. Sempre o ouvi dizer que gostaria que fossem eles os padrinhos de casamento... Como as circunstâncias são outras, o meu primo quis que fossem os dois primos em primeiro grau: eu, filha do tio, e o outro primo, filho da tia. Meu Deus... Nunca pensei sentir tanta pressão em cima. Sinto que estou no lugar do meu pai e que só isso já me obrigaria a estar o melhor possível, tal como Ele estaria. Ele é a pessoa que este casamento mais me recorda. Às vezes, quando estou a preparar qualquer coisa, dou por mim a pensar em como faz falta, em como devia estar cá... E não está. Penso muitas vezes no que é que ele faria no meu lugar. No jantar que o meu primo fez com os amigos e com a família, em jeitos de despedida de solteiro, dava por mim a pensar que só faltava o meu pai a entrar por aquele portão... As lágrimas assomavam-se, mas eu continha-as. Até ao momento em que o meu primo decidiu brindar-lhe e eu não me consegui conter. Foi um momento bonito, que não deixou de me afectar... Independentemente de o sentir comigo, a presença física é demasiado importante. Por vezes, não valorizamos o facto de as pessoas de quem gostarmos estarem connosco. Menosprezamos. Tomamos como garantido. Achamos que vão estar lá para sempre. Mas não vão... Às vezes, partem quando menos esperamos e nem temos tempo de nos despedirmos. E, mesmo que nos despeçamos, vão ficar a fazer falta durante toda a vida, porque há lugares que jamais se preencherão. Sábado, espero deixá-lo orgulhosa... Contudo, o que mais quero é que os noivos se dêem bem no futuro. O que desejo de melhor para mim, também o desejo para eles. Sei que merecem.

4 comentários:

Hermione disse...

Oh i... é verdade, muitas das vezes não sabemos dar valor ao que temos e aproveitar para amar quem temos ao nosso lado. A vida é ingrata e pode mudar de um momento para o outro, por isso devemos sempre viver a sério.
quanto ao casamento de certeza que vai correr bem e que vais estar mesmo à altura. Vais deixar o teu pai orgulhoso, onde quer que ele esteja :)

miii disse...

Que texto lindo, i. E deste-me um abanão forte. Não gostaria nada que os meus pais partissem agora, acho que me ia arrepender por os chatear um bocadinho! :(

Clementine disse...

Espero que seja um casamento lindo e que tudo corra bem :) *

ʝoana disse...

O facto de todos recordarem assim o teu pai e de tu assumires o lugar que dizes ser dele como madrinha, é sinónimo de que reconhecem em ti as características que gostavas nele. :)