quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Por muito que nem sempre se note...

Acredito que quando alguém muito especial nos desilude ou magoa duma forma fria e irracional, que atinge directamente o coração, isso muda irreversivelmente o que sentimos por essa pessoa, ou a forma como o sentimos. Quando é assim, dito à queima-roupa, não há tempo para criar defesas, ou para as velhas desculpas, nas quais "aquela pessoa é mesmo assim". Sim, volta tudo a estar como antes... Nem que seja só no dia seguinte. Contudo, é a um nível mais superficial e de expressão. Lá dentro, vai permanecer sempre aquela incredulidade inicial, associada ao choque e, depois, somente depois, ao roçar entre a desilusão e uma tristeza profunda. No fundo, nós não queremos voltar a recordar, não queremos voltar a sentir aquela sensação de incompreensão extrema. Só queremos fugir dos sentimentos e do que eles nos trazem à memória. Mas, tenho a certeza... Se a história se repetir, vem tudo ao de cima, ao pontapé. A lembrança dos pontas que ficaram por atar, demasiado emaranhadas para se resolverem da melhor maneira.

2 comentários:

Ju. disse...

Tão verdade que até dói! :s
Beijinho*

Bárbara C. disse...

Tens toda a razão :x